domingo, 8 de abril de 2012

Cadeias Cinéticas Abertas e Fechadas



Quando um corpo se move, ele o faz de acordo com sua cinemática que, no corpo humano, ocorre por meio dos movimentos artrocinemáticos e osteocinemáticos. A expressão cadeia cinética é usada na reabilitação para descrever a função ou a atividade de uma extremidade ou tronco em termos de uma série de cadeias ligadas. A cadeia cinética refere-se a uma série de elos segmentados Articulados, tal como a pelve, a coxa, a perna e o pé da extremidade inferior ligados, De acordo com a teoria da cadeia cinética, cada um dos segmentos articulares do corpo envolvidos em um movimento específico constitui um elo da cadeia cinética. Como cada movimento articular é, muitas vezes, uma função de outros movimentos articulares, a eficiência de uma atividade depende da forma como esses elos encadeamentos trabalham em harmonia.
O trabalho de Steindler deu origem ao conceito de cadeias cinéticas na reabilitação. Steindler enumerou três tipos de sistemas de cadeia cinética fechada (CCF), observando que uma carga intransponível sem nenhum movimento proximal ou distal era a única CCF "absoluta". Os outros dois tipos de classificações de CCF observados por ele envolvem um movimento segmentar e uma carga externa sobre o segmento distal no qual:

(1) a carga é sobreposta ou
(2) a carga não é sobreposta.

De acordo com o autor, o sistema de cadeia cinética aberta (CCA) ocorre quando não ha carga sobre o segmento distal e este está livre para mover-se. Quando Steindler originalmente propôs essas definições, o movimento que ocorre no segmento distal tornou-se uma classificação definida entre CCA c CCF, e uma CCA tem um segmento distal denominado livre e a CCF tem um segmento distal fixo

Cadeia cinética fechada

Uma variedade de definições para atividades de CCF foram propostas:

1. Palmitier definiu uma atividade como sendo fechada se ambas as extremidades da cadeia cinética estiverem ligadas a um esquema de trabalho imóvel, impedindo, assim, a translação de ambos os centros articulares distal ou proximal e criando uma situação na qual o movimento, em uma das articulações, gera um deslocamento previsível em todas as demais articulações.
2. Gray, considerou que uma atividade de cadeia fechada envolve fixação do segmento distal, de modo que o movimento articular ocorra em planos múltiplos e o membro sustente o peso.
3. Dillman afirmou que as características de atividades de cadeia fechada incluem movimentos articulares relativamente pequenos, acelerações articulares lentas, forças compressivas articulares maiores, congruência articular maior, menor cisaIhamento,  estimulação da propriocepção articular e estabilização dinâmica aumentada por meio da coativaçâo muscular.


4. Kibler define atividade de cadeia fechada como a combinação sequencial de movimentos articulares que apresentam as seguintes características:

  • O segmento distal da cadeia cinética encontra acentuada resistência.
  • O movimento de articulações individuais e a translação de seus centros instantâneos de rotação, ocorre de maneira previsível, secundária à distribuição de forças de cada extremidade da cadeia.

Exemplos de exercícios de cadeia cinética fechada (ECCFs) envolvendo as extremidades inferiores incluem o agachamento e leg-press. As atividades de caminhada, corrida, salto, escalada e subir escadas incorporam todos os componentes da cadeia cinética fechada. Um exemplo de ECCF para as extremidades superiores é o apoio, ou quando erguemos uma cadeira com os braços.

Cadeia cinética aberta

Há consenso de que a diferença entre as atividades de (CCA e CCF é determinada pelo movimento da extremidade do segmento. A definição tradicional para uma atividade de cadeia aberta inclui todas as atividades que envolvem a extremidade do segmento que se move livremente no espaço, resultando no movimento articular isolado.
Exemplos de atividades de cadeia aberta incluem erguer un copo de bebida e chutar uma bola dc futebol. Exercícios de cadeia cinética aberta (ECCAs) envolvendo a extremidade inferior incluem a extensão do joelho em posição sentada e flexão do joelho em pronação. Os exemplos de ECCA para a extremidade superior incluem a rosca bíceps e o desenvolvimento militar.

Muitas atividades, como natação e ciclismo, vistas tradicionalmente como atividades de CCA, incluem uma carga sobre a extremidade do segmento; contudo, o segmento final não está "fixado” e restrito ao movimento. Essa ambiguidade de definições para atividades CCF c CCA permite que algumas atividades sejam classificadas em categorias opostas. Assim, tem ocorrido a necessidade crescente de esclarecimento da terminologia CCF e CCA, em especial quando estiver relacionada u atividades funcionaís.

O trabalho de Dillman e colaboradores e também o de Lephart,  Henryo tentativas de esxlarecer a confusão. Dillman e colaboradores propuseram três classificações dc atividade por causa da área intermediária entre a atividade de CCF c CCA.
Essas classificações estavam baseadas na condição limitrofe, móvel ou fixa, e na presença ou ausência de carga sobre a extremide do segmento. Como
atividades com limite fixo e nenhuma carga não existem, foram propostas tres classificações:

  1. Móvel sem carga (MSC). Essas atividades envolvem uma extremidade móvel sem nenhuma carga e apresentam muita semelhança com a atividade de cadeia aberta extrema. Um exemplo desse tipo de atividade è atingir uma bola de tênis com uma raquete.
  2. Carga externa motel (CEM), essas atividades envolvem uma extremidade móvel com carga externa e incluem a combinação de ações de cadeia aberta e fechada, pois são caracterizadas pelas cocontrações dos músculos em torno das articulaçôes. Um exemplo desse tipo de atividade é o desenvolvimentoto militar.
  3. Carga externa fixa (CEF) Essas atividades envolvem uma extremidade fixa com carga externa (CEF) e assemelham-se muito à atividade de cadeia fechada extrema. Um exemplo desse tipo dc exercício é o apoio.
Lephart e Henry sugeriram que uma definição adicional pode ser feita analisando-se as seguintes características da atividade:

  • Direção da força
  • Magnitude da carga;
  • Ação muscular;
  • Movimento articular
  • Função neuromuscular
  • Direção da força
  • Magnitude da canga
  • Ação muscular:
  • Movimento articular
  • Função neuromuseular

De acordo com a classificação de Lephart e Henry, as atividades são subdivididas em quatro grupos:

1.      Atividades que envolvem um limite fixo com carga externa e axial. Um exemplo desse tipo de exercício e a utilização de uma prancha de deslizar.
2.      Atividades que envolvem um limite móvel com carga externa e axial. Um exemplo desse tipo de atividade é o supino.
3.      Atividades que envolvem um limite móvel com carga externa e rotatória. Um exemplo desse tipo de atividade e o padrão de  movimento de facilitação neuromuscular proprioceptivo (FNP) resistido.
4.      Atividades que envolvem limite móvel sem carga. Um exemplo desse tipo de atividade é o treinamento de posição.

Embora tanto o modelo de Dillman como o de Lephart e Henry descrevam o mesmo conceito, o modelo de Lephart e Henry são distinto por envolver componentes diagonais ou rotatórios aos movimentos. Esses movimentos diagonais e rotatórios aparecem na grande maioria das atividades funcionais.


REFERENCIA:

DUTTON Mark, Fisioterapia Ortopédica:Exame ,Avaliação e Interpretação, 2° ed. Editora Artmed,Porto Alegre,2010 

Nenhum comentário:

Postar um comentário