terça-feira, 17 de abril de 2012

Dor, Tensão e Espasmo Muscular

Mialgia, ou dor muscular, pode ser um sintoma de um distúrbio sistêmico subjacente Câncer, insuficiência renal, doença hepática, e distúrbios endócrinos são alguns exemplos de possíveis fontes sistêmicas de envolvimenio muscular.
 
Por exemplo:  Fraqueza muscular, Atrofia, Mialgia e Fadiga

Se tais sintomas persistem a despeito do repouso podem ser as manifestações iniciais de doença na tireoide ou paratireoide, acromegalia, diabetes, síndrome de Cushing ou osteomalácia.

A mialgia pode se apresentar na ansiedade e depressão.
A fraqueza muscular e mialgia podem ocorrer como efeito colateral de drogas.
O uso prolongado de corticosteroides. sistêmicos e drogas imunossupressora possuem efeitos adversos conhecidos sobre o sistema musculoesquelético incluindo miopatia degenerativa, com atrofia muscular e ruptura de tendão.
A endocardite infecciosa causada pela infecção bacteriana aguda pode se apresentar com mialgias e nenhuma outra manifestação de endocardite.
O inicio precoce de dor articular ou mialgia como o primeiro sinal da endocardite é mais provável se a pessoa é idosa e já apresentava diagnostico de sopro cardíaco.
A dor articular (artralgias geralmente acompanha mialgia, e o cliente recebe o diagnóstico errôneo de artrite reumatoide.
Polimialgia reumática (PR; literalmente, "dor em muitos músculos" ) é um distúrbio marcado por dor difusa e rigidez que primariamente afeta músculos das cinturas, do ombro e da pelve.
Os sintomas da PR são vagos e difíceis de diagnosticar, resultando em um atraso no inicio do tratamento. A pessoa pode acordar com dor e rigidez muscular sem nenhum motivo aparente ou os sintomas podem surgir gradualmente durante vários dias ou semanas. Adultos com mais de 50 anos de idade são afetados com maior frequência ( mulheres brancas apresentam a maior incidência): a maioria dos casos ocorre apôs os 70 anos de idade.

A arterite temporal ocorre em 25% de todos os casos de PR. Procure por sinais como dores de cabeça, alterações visuais (visão turva ou dupla, dor intermitente na mandíbula e envolvimento de nervos cranianos. A artéria temporal pode estar proeminente e dolorosa ao toque c o pulso temporal ausente.
A partir do ponto de vista da triagem, existem vários tipos de dor relacionada ao músculo como:

  • Tensão
  • Espasmo
  • Fraqueza
  • Trauma
  • Inflamação
  • Infecção
  • Dano neurológico
  • Pontos-gatilho  

Tensão Muscular

A tensão muscular, ou tônus muscular mantido, ocorre quando uma contração muscular prolongada ou uma cocontraçáo resulta em isquemia local, aumento dos metabolitos celulares e subsequente dor. A isquemia como um fator de dor muscular permanece sendo um assunto controverso A interrupção do fluxo de sangue em uma extremidade em repouso não causa dor a menos que o músculo se contraia durante a condição de isquemia.
A tensão muscular também pode ocorrer com estresse físico e fadiga. A tensão muscular e subsequente isquemia podem ocorrer como resultado de uma ergonomia inadequada, posições prolongadas de trabalho (p. ex..como os operadores de telemarketing e de terminais de computador), ou movimento repetitivo.
Temos o exemplo de uma pessoa sentada na frente de um teclado durante várias horas por dia. A digitação constante com cocontracão muscular não permite a sequência contração-relaxamento normal. A isquemia
muscular leva a uma maior liberação de Substância P, um neurotransmissor da dor (neuropeptídeo).
 Níveis elevados de Substância P aumentam a sensibilidade à dor. O aumento da percepção da dor resulta em maior espasmo muscular na forma de imobilidade ou mecanismo de defesa. E desta forma o chamado ciclo
dor-espasmo é perpetuado. Esta é uma resposta somática-somática
A tensão muscular secundária a uma resposta visceral-somática pode ocorrer quando a dor de fonte visceral resulta em um aumento da tensão muscular e mesmo espasmo muscular. Por exemplo, a dor de qualquer processo inflamatório ou infeccioso afetando o abdome (p. ex.,apendicite, diverticulite, doença inflamatória pélvica) pode causar aumento da tensão nos músculos abdominais.
Com uma duração de tempo suficiente combinada com uso excessivo e uso repetitivo ou doença infecciosa ou inflamatória, a tensão muscular pode se transformar em espasmo muscular. Quando músculos opostos como
os flexores e extensores entram em contração ao mesmo tempo durante longos períodos de tempo (a chamada cocontração), pode ocorrer tensão muscular e depois espasmo muscular.

Espasmo Muscular

O espasmo muscular é uma contração involuntária súbita de um músculo ou grupo de músculos, geralmente ocorrendo como o resultado do uso excessivo ou lesão das fixações neuromusculoesqueléticas ou musculotendíneas. Uma pessoa com um problema musculoesquelético doloroso também pode apresentar um grau variável de espasmo muscular reflexo para a proteção da articulação envolvida (uma resposta somática-somática). Um paciente com doença visceral dolorosa pode apresentar espasmo muscular da musculatura sobre a víscera (resposta viscerossomática).
O espasmo muscular não pode ser atribuído a um aumento transitório da tensão muscular porque a pressão intramuscular está elevada de modo insuficiente. A dor com o espasmo muscular pode ocorrer devido a uma
contração prolongada sob uma situação isquêmica. Um aumento na pressão parcial do oxigênio foi documentado dentro do espasmo muscular nestas circunstâncias.

Fonte:
SNYDER Godman, Diagnóstico Diferencial em Fisioterapia,4° ed., Editora Elsevier, Rio de Janeiro,2010.

veja também do mesmo autor EFEITO DOS MEDICAMENTOS CARDIOVASCULARES

Nenhum comentário:

Postar um comentário