sexta-feira, 3 de agosto de 2012

SINDROME DE DE QUERVAIN


Relativamente comum, a tenossinovite do primeiro compartimento dorsal, ou síndrome de De Quervain, é a tendinite mais comum do punho em atletas. Acredita-se que seja uma inflamação e inchaço do revestimento sinovial da bainha comum dos tendões do abdutor longo do polegar e extensor curto do polegar (fig.), no local onde essas estruturas avançam ao longo da região distal-radial do rádio.


HISTÓRICO

A dor é percebida sobre a região radial-distal do rádio, com irradiação distal até o polegar ou mesmo proximalmente até o antebraço. Em geral seu surgimento é insidioso. O paciente sente uma dor principalmente quando realiza movimentos com o polegar (espremer, agarrar, torcer)

EXAME

Esta condição deve ser diferenciada da osteoartrose da articulação do trapézio-metacarpal I , caso A e B.

           A) Dor na extensão e abdução do polegar contra resistência 
           B) Dor durante o desvio ulnar do punho com o polegar mantido fixo em flexão.
            C) sensibilidade à palpação sobre a bainha do tendão na região do processo estiloide do radio.

TRATAMENTO

O médico pode optar por injeção na bainha com preparado contendo corticosteroide ou anestésico local. Ocasionalmente faz-se incisão cirúrgica da bainha.

FISIOTERAPIA

Utiliza-se ultra-som e massagem de fricção(à bainha compartilhada) em que os músculos passam sobre os extensores do punho, durante um período de uma a duas semanas, 3 a 5 vezes por semana.
Objetivo: manter e aumentar a mobilidade dos tendões no interior da bainha e ajudar a resolver o processo inflamatório crônico.

Em casos mais graves e persistentes, devemos considerar uma restrição temporária dos movimentos do polegar com uma tala oponente, para evitar a contínua irritação ao processo vaginal inflamado.


HERTLING D.; KESSLER M. Tratamento de Distúrbios Musculoesqueléticos Comuns: Pincípios e Métodos de Fisioterapia, 4 ed. Editora Manole , São Paulo,2009.

Nenhum comentário:

Postar um comentário